Família que poupa unida enriquece unida!

Primeiro passo é o diálogo aberto sobre a situação financeira do lar

Que a frase acima é verdadeira, ninguém duvida. Mas como envolver o pessoal de casa no propósito de acertar as contas e ainda fazer uma reserva todos os meses? Essa tarefa fica ainda mais difícil quando o marido ou a mulher adora gastar mais do que deve e até mesmo quando as crianças pedem tudo o que veem e só se contentam com presentes caros.

A melhor estratégia para começar a equilibrar a vida financeira é ter uma conversa sincera com todos, num momento em que estejam tranquilos e dispostos a discutir sem brigar. “Se o marido ou a mulher que compra demais não se comprometer a mudar seus hábitos, não existirá, em tempo algum, um método capaz de salvar o orçamento dessa família. Afinal, é impossível manter as finanças em ordem se uma das partes gasta sem preocupação”, garante o educador financeiro Álvaro Modernell, sócio-proprietário da empresa Mais Ativos Educação Financeira.

Nesse bate-papo, não vale cair na armadilha da crítica, desfilando argumentos que tenham o único objetivo de convencer o outro de que ele está errado. Melhor que isso é apresentar fatos concretos, como o extrato da conta bancária, para justificar a necessidade de reavaliarem os comportamentos de cada um em relação ao uso do dinheiro.

Outra estratégia que funciona é mostrar o quanto a família vai ganhar se, unida, se dispuser a juntar um pouquinho por mês. Vale falar em uma viagem, na aquisição de uma casa mais confortável ou na compra de um carro novo. Para usufruir de todos esses benefícios lá na frente, será preciso repensar um pouquinho o consumo que é feito hoje, economizando nas pequenas coisas do dia a dia. 

As crianças também contam
E quando falamos em educar a família para colocar as contas no azul e ainda poupar, é essencial contar também com a ajuda das crianças. Um dos grandes desafios dos pais é, inclusive, ensinar aos filhos o valor do dinheiro. Para Álvaro Modernell, a melhor lição é o exemplo: “Os filhos se inspiram nos pais. Então, pouco vale cobrar e fazer longos discursos a respeito de não gastar demais se os pequenos percebem que, na prática, em casa, acontece o contrário”, alerta o educador financeiro.

Um recurso que ajuda na hora de orientar as crianças é recorrer à literatura infantil. Histórias como “A galinha dos ovos de ouro” e “A cigarra e a formiga” podem trazer alguns elementos para aproveitar em uma conversa a respeito de dinheiro com os pequenos. “Nesse primeiro momento, os pais ainda não vão falar de contas a pagar ou de orçamento doméstico. Mas já vão começar a preparar o terreno para essas discussões mais sérias, que ficarão para outra fase”, diz Modernell.

Estratégias que funcionam
A seguir, você confere mais algumas dicas práticas para começar a organizar o seu orçamento, com a ajuda de todos os membros da família.

Determine metas de poupança para a realização dos sonhos que vocês têm em comum. Mas planeje também uma reserva financeira para cobrir imprevistos.

Divida as responsabilidades. Explique que todos os moradores da casa são responsáveis pela saúde financeira do grupo. Assim, fica mais fácil estabelecer um limite de gastos para cada despesa, atingir metas e obter a colaboração geral.

Peça ajuda para diminuir despesas. Pode ser que o marido ou esposa apareça com uma sugestão ótima de onde cortar gastos e que até mesmo as crianças pensem numa maneira criativa de poupar. Basta que se sintam envolvidos e motivados pela causa.

Comemore as conquistas. Assim que a situação financeira começar a mudar, não se esqueça de contar a todos as boas notícias e de elogiá-los pelo comprometimento. Isso vai estimulá-los a colaborar sempre e cada vez mais!

Tags: economia família orçamento planejamento

Veja mais